Atualidades Machadianas.

Atualidades Machadianas.
Com efeito, na hora em que se descobrem desonestidades, para que todos não se estrepem da mesma forma, e para que os cabeças não fiquem impunes, há a saída da delação. Vejam este exemplo: “O ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa (PMDB) entregou à Procuradoria-Geral da República, como forma de corroboração à sua delação premiada, vídeos que mostram políticos do Estado recebendo maços de dinheiro.” (O Estado de São Paulo, 25/08/17, p.A6). Fico,assim, imaginando o que seria deste país, do seu povo e das novas gerações se ela não existisse? Sem esse sustentáculo jurídico, tudo pereceria! Daí o ensinamento de Machado de Assis: “Os meninos que o escutavam (eram cinco e dos mais velhos, dez e onze anos), não ousavam mexer com o corpo nem ainda com os olhos; esperavam o resto. O mestre, enquanto virava e revirava a frase, respirando com estrépito, ia dando ao peito da camisa umas ondulações que, em falta de outra distração, recreavam interiormente os discípulos. Um destes, o mais travesso, chegou ao desvario de imitar a respiração grossa do mestre, com grande susto dos outros, pois uma das máximas da escola era que, no caso de se não descobrir o autor de um delito, fossem todos castigados; com esse sistema, dizia o mestre, anima-se a delação, que deve ser sempre uma das mais sólidas bases do Estado bem constituído.” (O Programa, IN Escritos Avulsos I, Obras Completas de Machado de Assis, São Paulo: Globo, 1997, p.310).

Dias Campos

diascampos1@gmail.com